BUSCA
FALE CONOSCO
Apimec NacionalApimec Distrito FederalApimec Minas GeraisApimec NordesteApimec Rio de JaneiroApimec São PauloApimec Sul

 
Sem temer o crescimento
 
« Voltar | Imprimir | Enviar para um amigo |  RSS | Versão em PDF
Pesquisa de projeções macroeconômicas, realizada mensalmente pela Federação de Bancos com as instituições associadas, apurou, em maio, uma mediana do crescimento da economia de 6,3%, em 2010.  Há estimativas mais puxadas. O Itaú-Unibanco, o maior do setor privado, por exemplo, acaba de elevar suas projeções de 6,5% para 7,5%. É chapa quente. O governo também está escalando suas projeções. De 5%, há dois meses, para 6% agora.

Tem gente como medo desse crescimento mais forte que, neste segundo trimestre do ano, pode passar de 10%, em termos anualizados. Talvez nem a China chegue a tanto. É para temer?

Dá para entender que alguns, gatos escaldados, relacionem, diretamente, expansão econômica acima de um certo limite bem comportado com descontroles inflacionários. Mas, como essa não é relação universal, e sim função de circunstâncias, a resposta mais sensata se devemos temer o crescimento deveria ser um "não" - mas com ressalvas e moderação.

Ainda existe, em boa parte dos setores, capacidade instalada para agüentar o tranco. Embora alguns segmentos, de fato, já registrem fricções e endurecimento na oferta de mão-de-obra, componentes e matérias-primas, o que está se completando agora é uma volta aos níveis de ocupação da capacidade existente em 2008. Dois fatores, além disso, podem, naturalmente, contribuir, para esfriar um pouco a fervura.

Primeiro, um aumento da oferta global, com a força, crescente (e preocupante em outros sentidos), das importações. Depois, os desdobramentos da nova etapa da crise global, cujo epicentro é a explosão das dívidas soberanas na Europa.

Mais do que tudo isso, um elemento incomum, presente no momento atual, pode colaborar para dissipar preocupações além da conta com um crescimento idem: o consenso em torno da sua desfuncionalidade.

Visto que, na chamada atual conjuntura, o custo de crescer acima de 6% é nitidamente maior do que benefício, serão poucas as resistências à aplicação de políticas para conter os excessos. Assim, o Banco Central ganhou espaço político para continuar o ciclo de alta dos juros básicos e não será criticado se apertar o crédito. E a Fazenda tende a ser menos resistente a pressões para determinar cortes nos gastos públicos.

A arte estará em não apertar o torniquete a ponto de desestimular o investimento em aumento da capacidade produtiva e infra-estrutura. Este vai bem, obrigado, e é o componente crítico a ser preservado, se o País quiser alongar o ciclo de crescimento agora em curso.


José Paulo Kupfer/

 
 
 
Envie para um amigo
» Nome do destinatário » E-mail do destinatário
» Seu nome » Seu E-Mail
» Comentário  
 


·· Palavra da Presidência
 
 
·· Eventos

» Próximos Eventos
 
 
·· Parceiros

 
 
·· REPRESENTAÇÕES

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
twitter
©2015 Apimec