BUSCA
FALE CONOSCO
Apimec NacionalApimec Distrito FederalApimec Minas GeraisApimec NordesteApimec Rio de JaneiroApimec São PauloApimec Sul

 
Produção industrial tem maior queda em três anos
 
« Voltar | Imprimir | Enviar para um amigo |  RSS | Versão em PDF

A produção industrial brasileira caiu 2,1 por cento em janeiro ante dezembro, a maior redução mensal desde dezembro de 2008 -no auge da crise financeira global.

Na comparação com janeiro de 2011, a produção no primeiro mês de 2012 diminuiu 3,4 por cento, a menor taxa anualizada desde setembro de 2009, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira.

Economistas consultados pela Reuters esperavam queda de 0,80 por cento em janeiro sobre dezembro, segundo a mediana das projeções. Para a comparação com janeiro do ano passado, a previsão era de queda de 1,5 por cento.

O dado de dezembro de 2011 ante novembro foi revisado para baixo, de alta de 0,9 por cento para aumento de 0,5 por cento. A comparação entre dezembro do ano passado e dezembro de 2010 também sofreu revisão negativa, passando a apresentar queda de 1,3 por cento, ante o 1,2 por cento informado anteriormente.

O setor industrial foi o destaque negativo dos números do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados na véspera. O PIB brasileiro cresceu 2,7 por cento em 2011, mas a indústria teve expansão de apenas 1,6 por cento no ano (frente aos 10,4 por cento em 2010), de acordo com IBGE.

VEÍCULOS E MINÉRIOS

A queda de janeiro foi liderada pelos setores automotivo e de extração mineral. A produção de veículos automotores sofreu redução de 30,7 por cento, o pior resultado desde dezembro de 2008, quando diminuiu em 38,8 por cento.

"Esse foi o principal setor responsável pela queda da indústria em janeiro e tem a ver com a paralisação quase completa das montadoras de caminhão para se adaptar à nova tecnologia de motores Euro 5", disse o economista do IBGE, André Macedo.

Além de paralisações em setores que abastecem a produção de caminhões e carros, também houve paradas em algumas montadoras "porque os níveis de estoques ainda estão elevados", segundo Macedo. Na comparação entre janeiro de 2012 e janeiro de 2011, a produção de veículos caiu 26,7 por cento. O setor automotivo tem peso de aproximadamente 12 por cento na pesquisa do IBGE.

O setor de bens de capital foi diretamente afetado pelos problemas na cadeia automotiva, com queda de 16 por cento em janeiro ante dezembro, a mais aguda desde dezembro de 2008. Ante janeiro de 2011, a retração foi de 13 por cento, a mais intensa desde outubro de 2009.

O desempenho da industria extrativa também contribuiu para derrubar a produção industrial em janeiro. A extração mineral caiu 8,4 por cento entre dezembro e janeiro. "A extração de minério de ferro em janeiro foi muito afetada por conta das chuvas que atingiram Minas Gerais", disse André Macedo. "Tem ainda um menor dinamismo nas exportações de minério", acrescentou.

A produção de minério de ferro em janeiro caiu 15,1 por cento na comparação com janeiro de 2011, segundo o IBGE.

Com a forte queda na indústria extrativa, a produção do setor de bens intermediários, o mais importante da indústria, diminuiu 2,9 por cento em janeiro ante dezembro de 2011. Essa também é a maior retração desde dezembro de 2008, quando a produção do setor despencou 12,2 por cento.

"Apesar de muitas taxas voltarem a dezembro de 2008, os momentos são distintos", declarou Macedo. "Agora, o ritmo da atividade é mais moderado, visto que metade das atividades aumentou a produção em janeiro e metade caiu, com peso grande para veículos e extrativa. Em 2008 houve uma queda muito forte provocada pela crise global. Não são momento comparáveis."

IPI

O tombo da indústria só não foi mais grave em janeiro graças ao comportamento de alguns setores, em especial máquinas e equipamentos, cuja produção aumentou 4,5 por cento em relação a dezembro.

O desempenho foi liderado pelos bens da linha branca, cuja produção recebeu no fim do ano passado um incentivo do governo federal, com redução de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para máquinas, fogões, geladeiras, tanquinhos e outros itens.

"A redução do IPI teve um impacto positivo, mas não dá para quantificar", afirmou André Macedo. "O fato é que em janeiro, primeiro mês após o anúncio do governo, o número veio mais positivo que em meses anteriores."

Dentro do grupo de máquinas e equipamentos, houve avanço na produção também de bens de capital para indústria e para agricultura, com taxas de 5,2 e 32,1 por cento, respectivamente, na comparação com janeiro do ano passado.

JURO

"O mês de janeiro foi afetado por fatores pontuais, como chuvas e paralisações. Temos que aguardar fevereiro para saber qual será o real comportamento da industria", observou Macedo. "Há um alento que vem de dados da Anfavea e de o Banco Central manter a trajetória de redução de juros."

Nesta quarta-feira, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central deve anunciar mais um corte na taxa básica de juros, a Selic, hoje em 10,50 por cento ao ano. No mercado financeiro, as apostas nos últimos dias dividiam-se entre mais um corte de 0,50 ponto percentual e uma redução maior, de 0,75 ponto.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou na terça-feira que o governo prepara um pacote de medidas para estimular o setor industrial, que abrangerá novas ações contra a valorização excessiva do real.

Fonte: Reuters

 
 
 
Envie para um amigo
» Nome do destinatário » E-mail do destinatário
» Seu nome » Seu E-Mail
» Comentário  
 


·· Palavra da Presidência
 
 
·· Eventos

» Próximos Eventos
 
 
·· Parceiros

 
 
·· REPRESENTAÇÕES

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
twitter
©2015 Apimec